sábado, 26 de novembro de 2016

Finalizando o Ano de 2016!


Este ano foi difícil em alguns sentidos, mas importante para o meu crescimento profissional. Em julho fui conhecer a Escola Sustentável no Uruguai e em setembro lancei o livro: Educação Infantil para a Sustentabilidade - Atualidades - Desafios - Avanços.

Além do livro montei junto com a Arquiteta Mara Paiva Garzeri Freire um projeto de escola sustentável para o Brasil. Em 2017 esperamos conseguir investidores para construir esta escola.

Só tenho que agradecer tudo que aconteceu, pois cresci muito.

Muito obrigada a todos pelo carinho e leitura em meu blog.

Feliz 2017 com muita paz, amor, saúde e dinheiro para todos nós!

Todo o meu amor por vocês leitores.

Beijos!


terça-feira, 8 de novembro de 2016

Educação: as crianças precisam ter atitudes sustentáveis em casa

Mais um  artigopublicado hoje no site do programa Papo de mãe, confiram no link abaixo. Obrigada Mariana Kotscho e Roberta Manreza, apresentadoras do Programa.

http://www.papodemae.com.br/2016/11/08/educar-as-criancas-para-terem-atitudes-sustentaveis-em-casa/

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Escola sustentável: espaços coloridos, vivos e cheios de alegria!

Uma escola sustentável com educação infantil precisa ser cheia de vida. Além de plantas, animais e pessoas, as cores precisam estar presentes na escola. As crianças denotam vida em pleno desenvolvimento e merecem que as cores estejam fazendo parte deste ambiente escolar. Normalmente, quando vamos às escolas, vemos poucas cores em suas paredes e mobiliário.   Quando visitei algumas escolas em Portugal em 2015 vi que lá as cores fazem parte do ambiente escolar. Os banheiros são laranja, vermelho entre outras cores. A biblioteca está cheia de vida com cores fortes, isto me chamou a atenção. Quando perguntei para a coordenadora do Agrupamento Eça de Queiroz sobre as cores, ela me respondeu que elas são vida, que todos os ambientes da cidade possuem cores e as escolas fazem parte da cidade. Achei maravilhoso!

Realmente, observando algumas escolas aqui no Brasil, percebo que muitas são brancas com azul, no máximo verde-claro. Sou realmente a favor da Pedagogia das Cores dentro dos espaços da escola, que nos transmitem vida.

Pensem em um dia nublado. Se colocarmos roupas escuras também ficaremos com a sensação de escuridão. Mas, se colocarmos roupas amarelas e laranjas, isto significa que estamos iluminados num dia escuro. As cores nos provocam sensações. É claro que em ambientes de estudos precisamos tomar cuidado e saber o que está sendo feito. Não podemos colocar cores que provocam excitação num ambiente de sono, e nem uma cor apática em um espaço que precisa de energia. Tudo precisa ser pensado e estudado para que as cores favoreçam a aprendizagem e que não atrapalhem as crianças. Mais cor, mais vida, mais alegria. Instituição de ensino deve ser um espaço de felicidade, pois é um lugar de ensinamento para a vida.


quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Construção sustentável de uma escola

Em uma escola sustentável, a construção é fator primordial para a sua instalação. De nada adianta falarmos de preservação da natureza em uma construção que não siga tal padrão. A construção sustentável utiliza técnicas de construção menos impactantes, autossuficientes e conectadas com o ambiente natural.

A preocupação ecológica está presente desde a concepção até a sua ocupação. Os materiais utilizados neste tipo de construção não agridem o meio ambiente, pelo contrário, reciclam materiais, aproveitam resíduos e minimizam o impacto. O tratamento e reaproveitamento de resíduos e água de chuva e o uso de fontes de energia renováveis são exemplos da preocupação na concepção e utilização desta escola. O grande objetivo é que a construção seja menos tóxica e invasiva para a comunidade local.


Ensinar com o exemplo e responsabilidade ambiental começam pela construção e vai além do projeto pedagógico desenvolvido com os alunos dentro do período letivo. Construção sustentável, permacultura, pomar e compostagem são alguns itens que comporão uma educação infantil para a sustentabilidade do planeta, para a geração atual e para as futuras gerações que aqui viverão.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Inteligência sustentável: conceito e habilidades

Ao redor de todo o mundo, educadores, pesquisadores e cientistas discutem e abordam o tema da sustentabilidade como uma necessidade de tomada de consciência da sociedade, afirmando que atitudes precisam fazer parte ─ cada vez mais ─ da gestão de ambientes corporativos, políticos e educacionais.

No entanto, embora diversas iniciativas louváveis façam parte do cenário deste nosso milênio, muito ainda precisa ser feito, ensinado e conscientizado diante da ameaça de escassez dos recursos naturais e da contaminação dos mesmos pelo ser humano. Trata-se de discutir e de tentar viabilizar, na prática, a sustentabilidade, a partir de um conceito maior e mais abrangente, que abarque toda a sociedade e que não se restrinja a ações que se justifiquem pelo modismo midiático.

Na verdade, o tema da Sustentabilidade surge como um novo paradigma das sociedades modernas nos anos 80, trazendo a crescente preocupação com o meio ambiente e com a qualidade de vida no planeta. E embora toda a discussão seja necessária em sua amplitude social, como é possível se pensar no futuro do planeta de forma sustentável se o sistema educacional não estiver totalmente imbuído dessa ideia enquanto viabilidade real e prática?

Quando me refiro a uma escola sustentável com bio-construção, ou seja, uma escola onde a energia solar seja transformada em energia elétrica, onde haja o reaproveitamento de água de chuva, compostagem e agricultura orgânica, onde a coleta e reciclagem de materiais descartáveis, assim como a aprendizagem sobre os recursos necessários para a fabricação de embalagens e a produção dos mesmos seja alvo de conhecimento prático, é porque acredito em uma escola que verdadeiramente viva a sustentabilidade de maneira integral e não parcialmente como é possível se verificar em diversos Projetos Educacionais desenvolvidos por algumas escolas.

Penso em uma escola cujo Projeto Político Pedagógico seja voltado para a sustentabilidade, que aplique uma metodologia de aprendizagem que prime pela experiência significativa, algo que possa ir além de preparar um jovem para exames de vestibular, ou apenas para a sua qualificação para o mercado de trabalho.

É preciso se pensar em um ser humano integral no qual mente, corpo, afetividade e consciência social sejam desenvolvidos o tempo todo. Trata-se de uma inovação que deverá produzir resultados diante de um novo estilo de viver. Por isso, há que se pensar de maneira mais ampla sobre o conceito “Inteligência”, refletindo um pouco sobre o que queremos desenvolver na criança e no jovem que passa boa parte do dia na escola.

 A palavra ou termo inteligência deriva do latim intelligentĭa, que, por sua vez, deriva de inteligere. Ela é uma palavra composta de outros dois termos: intus (“entre”) e legere (“escolher”). Neste sentido, a origem etimológica do conceito de inteligência se refere a quem sabe escolher. Ou seja, quem melhor se adapta ao meio psicológico, ambiental e social em que vive, sabendo fazer escolhas certas para solucionar questões e manter a sobrevivência. Uma pessoa inteligente é capaz de entender, assimilar, elaborar informação e conhecimento, sabendo usá-los de forma adequada. A inteligência não é uma capacidade inata; nascemos com todo o aparato neurológico, mas não nascemos inteligentes: é algo que precisa ser desenvolvido.

Nascemos com todo o potencial para desenvolvermos nossa inteligência e nos adaptarmos, cada vez mais e melhor, ao ambiente onde somos inseridos; no entanto, se não formos estimulados de maneira correta por meio de alimentação, hábitos, habilidades e atitudes, poderemos ter prejuízos em nossa formação e em nosso desenvolvimento.

Sustentabilidade traz o conceito cuja origem vem do latim, “sustentare” que significa sustentar, apoiar e conservar, ou seja, este conceito está relacionado a uma mentalidade, estratégia ou atitude ecologicamente correta, viável no âmbito social e justo diante da diversidade cultural que existe em nosso planeta.

Com a junção dos dois conceitos ─ inteligência e sustentabilidade ─ é possível se pensar que a real necessidade educacional, para o terceiro milênio é a Inteligência Sustentável. Assim, ter Inteligência para escolher e fazer uso de Sustentabilidade como uma estratégia de sobrevivência com qualidade de vida, com uma mentalidade ecologicamente correta, fazendo uso de seu pensar, sentir e agir de forma a promover o bem estar para si, para os outros e para os recursos naturais. É possibilitar que a criança e o jovem possam viver e conviver em equilíbrio emocional, ecológico e social, cujas atitudes sejam voltadas para o seu bem-estar e para o das futuras gerações, respeitando os recursos naturais, a vida e a sociedade com ética.  

Trata-se de uma habilidade que precisa ser desenvolvida para mantermos a nossa sobrevivência e a das futuras gerações. Mas como desenvolver este conceito de inteligência sustentável?  Promovendo estímulos e atitudes para que os alunos, desde pequenos, aprendam conceitos de reutilizar, de reciclar e de reduzir resíduos no dia a dia. Como educadores, só conseguiremos desenvolver esses conceitos de forma real e prática, em uma escola que seja preparada para isto, desde a sua construção física até o Projeto Pedagógico envolvendo o currículo, a metodologia e a avaliação, todos estes focados no aprendizado por meio da experiência.

Uma escola de educação infantil direcionada para a sustentabilidade deve promover atividades de reflexão pela experiência; por exemplo, em vez de educar para reaproveitamento de água de chuva de forma teórica, as crianças terão em sua instituição o recolhimento da água da chuva por meio de cisternas. Elas poderão observar, nos telhados, que existem placas que captam a energia solar transformando-a em energia elétrica; compreenderão a importância e o significado de se economizar água e luz em prol de si e da comunidade local, tudo de forma real, pela experiência.

Nesta escola as crianças poderão plantar e cuidar de pequenos animais, aprendendo que todos os seres vivos ─ além de nós mesmos ─ todos precisam de água para viver. Trata-se de um aprendizado que vem pelo fazer prático, mexendo, manipulando, percebendo... e não apenas pelos registros impressos de livros, desenhos, figuras... Quando vivenciamos algo não nos esquecemos jamais, pois vivemos o fato, de fato!

Uma Pedagogia Sustentável pratica antes de teorizar; oferece e proporciona vivências e depois educa trazendo os conceitos teóricos. É o contrário do que estamos acostumados a verificar nas pedagogias tradicionais.

Para que a Inteligência Sustentável possa fazer parte integral da metodologia e da aprendizagem de uma escola, é necessário que essa escola abrace a ideia de que somente um ser humano integral e integrado poderá agir em prol do bem estar da sociedade. Somente indivíduos que aprenderam pela experiência e que foram respeitados em sua integridade física, emocional, social e planetária é que poderão atuar de maneira criativa e eficaz sobre a grande ameaça que paira sobre a nossa civilização: a escassez dos recursos naturais.

Já passou da hora de agirmos, como educadores, na formação de crianças e jovens por meio do despertar da Inteligência Sustentável! É preciso que saibamos contribuir com uma educação que seja capaz de compreender e gerenciar o ecossistema, de produzir e adquirir os bens de consumo de forma consciente e responsável, de enxergar e se integrar com as diferenças e diversidades de maneira ética, humana e com amor!



quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Programa Papo de Mãe - Llivro Educação Infantil para a Sustentabilidade

Hoje a reportagem sobre o livro Educação Infantil para a Sustentabilidade está no site do Programa Papo de Mãe, apresentados por Mariana Kotscho e Roberta Manreza.

http://www.papodemae.com.br/2016/10/05/17224/

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Movimento Escolas Sustentáveis para o Brasil.


Para que as novas gerações possam usufruir desta imagem por muitos e muitos anos, precisamos pensar melhor o que estamos fazendo com o nosso planeta. Precisamos educar e cuidar da nova geração para que elas possam ter uma educação voltada para o meio ambiente, para a economia e a sociedade sustentável.